PROGRAMAÇÃO

SILVIA MACHETE - PART. ESP. EDUARDO DUSSEK - 07 JUN

SALA TEREZA RACHEL 

Dia 7/06 às 21h 

Plateia e Frisas: R$110,00 | Balcão: R$80,00

Classificação: 12 Anos

O público pediu e Silvia Machete volta a apresentar o espetáculo Dussek Veste Machete, dia 7 de junho, às 21h, no Theatro Net Rio, em Copacabana.

Com direção musical de Eduardo Dussek, o espetáculo reúne músicas do compositor carioca, além de repertório escolhido a quatro mãos por Dussek e Silvia. Para o show que será registrado em DVD, numa parceria com o Canal Brasil, Dussek fará participação especial e Silvia selecionou uma lista de sucessos do compositor, como Aventura, Cabelos negros e Chocante.

O espetáculo traz humor, música e picardia em doses generosas, reunindo a sátira e a crônica musical das canções de Dussek ao estilo performático de Silvia, que nas apresentações será acompanhada pelo pianista Danilo Andrade.

Silvia Machete preparou Dussek Veste Machete em meio à turnê de divulgação do CD Souvenir, álbum que traz uma música que Dussek compôs para ela, chamada Totalmente Tcha Tcha Tcha. De lá para cá, Silvia também estrelou o musical “Mondo Machete”, que já passou pelo Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Silvia explica que Dussek fez algumas sugestões e eles decidiram juntos incluir outras canções que tinham a ver com o espetáculo, descobrindo como elas poderiam ser interpretadas. “O mundo do Dussek é bem atraente para mim: romântico, exagerado e crítico. Escolhi as canções mais teatrais para esses espetáculos. Trabalhar com Dussek é sempre diversão garantida. Visualmente também foi divertido fazer o set list final”. No repertório, também estarão clássicos como Quizás, Quizás, Quizás, Great balls of  fire e Back to Black. Canções que fazem parte do universo comum aos artistas, ambos cariocas, românticos e irreverentes.

Tanto Eduardo Dussek quanto Silvia Machete começaram a carreira trabalhando no teatro. A trajetória artística de Silvia se destaca por apresentações cheias de leveza e jovialidade. Eduardo Dussek estudou música, teatro e arquitetura. Suas interpretações e composições unem bom humor e melodias elaboradas ao rock, samba, carnaval e à MPB. Ele apareceu para o grande público em um festival, em 1980, com a música Nostradamus, de sua autoria, falando sobre o Apocalipse.