PROGRAMAÇÃO

CHIARA CIVELLO - 17 MAI

SALA TEREZA RACHEL 

Dia 17/05 às 21h 

Plateia, Frisas e Balcão: R$100,00

Classificação: 12 Anos

A cantora e compositora Chiara Civello fará show no Theatro Net Rio dia 17 de maio, às 21h. A apresentação faz parte da turnê da italiana pelo Brasil, que passará ainda por Porto Alegre (19/5, Teatro Bourbon Country) e São Paulo (20 e 21/5).

 

A artista subirá ao palco acompanhada dos músicos brasileiros Domenico Lancellotti(bateria), Alberto Continentino (baixo) e Pedro Sá (guitarra), apresentando-se no inédito papel de intérprete, mergulhando no maravilhoso oceano que é a música italiana e apresentando repertório em uma versão moderna e sofisticada, da bossa nova ao jazz.

 

No disco Canzoni (distribuição Sony Classical), Chiara Civellomostra canções de amor com um som refinadíssimo e cativante que mistura o northern soul à bossa nova, o soul branco ao jazz e ao pop internacional. O álbum contou com a participação de convidados extraordinários como o monumental Gilberto Gil, o poético Chico Buarque, além da pop star Ana Carolina e a estrela do jazz Esperanza Spalding. Os luxuosos, quase hipnotizantes, arranjos para orquestra foram escritos pelo legendário Eumir Deodato (Sinatra/Jobim, Bjork, Roberta Flack) e o refinado dj-producer Nicola Conte criou o amálgama perfeito entre uma sensibilidade musical contemporânea e a vívida profundidade do som analógico. Uma revelação.


“Não podia sonhar mais que isso. É o disco que queria gravar com as canções que gostaria de ter escrito e com um som que remete o olhar ao passado, mas voltado para o futuro e para uma Itália como a nossa de agora, cheia de promessas. Gil, Chico, Eumir, Nicola, Ana e, Esperanza rendem homenagens à música italiana com uma energia e frescor absolutamente emocionantes”, conta Chiara.

 

Nelson Motta declara sua admiração pela cantora italiana: “Amo a Chiara cantando, é uma das minhas cantoras favoritas, seu disco de clássicos italianos - Che Me Importa Nel Mondo, Arrivederci, Meti Una Sera a Cena, a sublime Senza Fine - não sai do meu iPod, passo muitas manhãs caminhando no calçadão de Ipanema com a Chiara e com os arranjos espetaculares de Nicola Conti nos meus ouvidos e no coração. É uma cantora maravilhosa, sedutora, envolvente, com um timbre caloroso combinado com bom gosto, musicalidade, personalidade e precisão técnica”.

 

Chico Buarque e Gilberto Gil, que aceitaram com entusiasmo o convite de Chiara, cantando em um italiano perfeito, deram luz a interpretações extraordinariamente evocativas. Tanto Gil, como Chico sempre tiveram uma relação muito importante com a Itália e ao longo dos anos contribuíram para consolidar esta maravilhosa ponte musical que existe entre a Itália e o Brasil, constituída por grandes obras como o dueto de Sergio Endrigo e Roberto Carlos e o trio Vanoni-Toquinho-Vinicius.  Sobre Chiara, eles disseram:


“Chiara é uma das grandes novidades da música italiana que incorpora essa força do relacionamento entre Brasil e Itália. Ela ama a música brasileira, cultiva a música brasileira, o violão que ela toca, o piano que ela toca, têm muito a ver com o gosto brasileiro. Ela passou também um período importante no Brasil, se aproximando com mais profundidade dessa qualidade brasileira e incorpora isso na música que ela faz ultimamente, no trabalho que ela desenvolve. É uma grande compositora e instrumentista e tudo isso tem uma coisa brasileira que está cada vez mais presente no trabalho dela. No último trabalho que ela fez, que foi uma reedição de grandes clássicos italianos, ela me convidou e eu tive o prazer de participar do disco, que vai ser lançado no Brasil e vocês vão ter a oportunidade, não só através desse disco mas de toda a obra dela e da presença dela em shows e da coisa importantíssima que ela tem como intérprete ao vivo. Vocês vão ter a oportunidade de conhecê-la e vai ser muito interessante tanto pra vocês, quanto pra ela.”

Gilberto Gil

 

“Foi uma honra e um prazer gravar com a Chiara, principalmente por se tratar desta canção Io Che Amo Solo Te. Canção que eu ouvia muito no início dos anos 60, sem imaginar que eu me tornaria amigo e parceiro de seu autor, Sergio Endrigo. Muito obrigado, Chiara. Um beijo!”

Chico Buarque