PROGRAMAÇÃO

TERESA CRISTINA - 31 MAR

SALA TEREZA RACHEL 

Dia 31/03 às 21h 

Plateia e Frisas: R$120,00 | Balcão: R$90,00

Classificação: 12 Anos

O Theatro Net Rio tem o prazer de apresentar "Teresa canta Cartola: um poeta de Mangueira", dia 6 de junho, às 21h.

Devido ao grande sucesso, o Theatro Net Rio receberá Teresa Cristinanovamente para apresentar o seu show em homenagem a Cartola dia 31 de março 21 horas. 

Teresa canta Cartola: um poeta de Mangueira

Desde as suas primeiras apresentações com o Grupo Semente, na Lapa, bairro da boemia carioca, Teresa Cristina vem sendo considerada um dos principais ícones do samba nacional. Dona de uma voz mansa e suave, a cantora possui um jeito inconfundível de interpretar nomes como Nelson Cavaquinho, Antônio Candeia e Cartola, compositor a quem ela presta homenagem no palco do Theatro Net Rio.

Mesmo sendo portelense de corpo e alma, Teresa não esconde a sua grande paixão e admiração por Cartola, poeta cuja obra ela diz se “(con)fundir com a história de Mangueira, morro e Escola”, passando por estilos como o “samba canção, samba de terreiro, partido alto e samba-enredo”. Hoje, a música de Cartola é reverenciada tanto no Brasil quanto fora dele, sendo louvada por amantes do samba – categoria na qual, com toda a certeza, Teresa se encaixa.

Para celebrar Cartola

Acompanhada do talentoso Carlinhos Sete Cordas, Teresa Cristina estreou seu show em homenagem a Cartola no Theatro Net Rio em novembro do ano passado. Os ingressos se esgotaram em poucos dias e foi necessário convocar uma segunda sessão.

O show encantou o público e recebeu muitos aplausos. Caetano Veloso, que assistiu à estreia, afirmou: “O show da Teresa Cristina foi a coisa mais linda do mundo, uma das coisas mais lindas que vi ultimamente”.

“Teresa canta Cartola: um poeta de Mangueira” conta em seu repertório com “O mundo é um moinho”, “Alvorada”, “Peito Vazio”, “O sol nascerá”, “As rosas não falam” e outras canções do saudoso sambista. 

Sobre o show, por Caetano Veloso

“O show de Teresa Cristina foi a coisa mais linda do mundo, umas das coisas mais lindas que vi ultimamente. Carlinhos (Sete Cordas) tocou com uma riqueza – ele tem toda a história da bossa nova e do samba de raiz, tudo está cultamente presente no estilo dele. E ela, sempre gostei dela, mas nunca tanto quanto agora. Teresa tem uma presença divina no palco. Todos os gestos são adequados; toda a dignidade dela continua ali, mas com muito mais colorido, nuances e sutilezas. Foi um dos espetáculos de que mais gostei dentre os que já vi.”