PROGRAMAÇÃO

TERESA CRISTINA - 21 MAR

21 de março, às 21h

Plateia e frisas: R$140,00 | Balcão: R$100,00

Classificação: 12 anos

O Theatro NET Rio recebe no dia 21 e 22 de março, quarta e quinta feira, às 21 horas, a cantora Teresa Cristina com seu novo projeto “Teresa canta Noel”.

Depois do sucesso de “Teresa canta Cartola”, Teresa Cristina lança seu novo trabalho, com direção musical de Caetano Veloso, homenageando um dos maiores e mais importantes artistas da música popular brasileira: Noel Rosa, com o show: Teresa Cristina canta Noel: “Batuque é um privilégio”.  O eterno poeta da Vila Isabel é o segundo, na trilogia proposta em homenagem aos grandes sambistas do Brasil, em que Teresa Cristina dá voz à obra de um grande compositor, acompanhada por Carlinhos sete cordas, com arranjo bem pessoal.

“Noel é o elo entre o samba do morro e o samba do asfalto. A cara do Rio de Janeiro” comenta Teresa sobre o poeta. “O Batuque é um privilégio sim, e fez com que a música brasileira tenha o viés de hoje. Esse verso traduz muito sobre a importância de suas letras para o samba. Essa influência ancestral misturada à melodia e a poesia de seus versos, isso faz total diferença na construção da sua identidade”. Aponta a artista, sobre o nome do espetáculo.

Premiada e reconhecida entre as vozes de maior destaque no samba do Rio de Janeiro, Teresa retorna aos palcos com um repertório de vários sucessos do sambista, entre eles: “Com que Roupa”, “Feitio de Oração” e “Gago Apaixonado”. “Nesse repertório escolhi músicas que têm a ver comigo, com as quais me identifico. Me chamou atenção: O Rio de Janeiro, os cabarés, a malandragem, a mulher, a relação homem x mulher, a maneira como ele via as coisas. O Brasil apontado em suas músicas detalha as situações sociais e políticas de uma época, ainda muito real, mas que fez diferença e deu a cara do que é o samba hoje.” Conclui Teresa.

 

Apresentada por Caetano Veloso, em seu último trabalho, a turnê “Teresa canta Cartola” percorreu pelo Brasil, América Latina, América do Norte, Europa e Ásia, em mais de cinquenta apresentações, batendo recorde de bilheteria, lotando teatros e resgatando o que há de melhor no samba: a alegria e o sentimento. O álbum foi lançado internacionalmente pelo selo norte-americano “Nonesuch”, recebeu críticas internacionais, como no The New York Times, e foi indicado ao prêmio da Música Brasileira 2017, na categoria de Melhor Cantora de Samba, somando as diversas outras premiações da artista, que hoje consagrada, desafia levar aos palcos a poesia e a arte de um sambista que fez da música, a identidade de um gênero musical.